Uma websérie sobre o universo de atração, desejo, mágoa e vingança de duas mulheres conectadas por um carma que precisará de mais de uma vida para ser resolvido

"La Despedida"

Tive vontade de falar de Marina. De falar de Luna através dela. Admito que o passado dessa história me instiga um pouco mais do que o presente. Ocorre o contrário com a Manu. Se ela é Valentina, eu sou Marina: Aquele cheiro de antigo mistério, aquela dor pelo não ser e toda a fúria de não amar. Assim é Marina. E ela se despede.

“La Despedida” é um quadro da pintora Remédios Varo que serviu como uma luva a uma cena do roteiro e como um guia para a estética do passado. A emoção, as cores, a poesia do quadro anseiam por ultrapassar o movimento das imagens de “Bliss” e tocarem vocês. Esperamos tocar intensamente! O êxtase do prazer e da dor. Assim seja!

Marina já foi tocada por um “Bliss”. Agora aguarda a hora de poder falar, de poder concretizar em uma catarse exibicionista, tudo o que guardou. As águas rolam, as sombras se encontram e o destino nunca pára. Eu sou Marina. Eu sou mistério, fome e torpor. E, como dirá Valentina: “A despedida é, por natureza, a sugestão do reencontro”.

Anúncios

Uma resposta

  1. Adoro reecontros. Acho que pela vida conhecemos algumas pessoas, e outras reconhecemos como e já fizessem parte de nós, pois se encaixam em nosso jeito de ser… reencontros…Amo esta frase "A despedida é, por natureza, a sugestão do reencontro". Como tantas outras pelo texto afora.E acho que esta "esperança" que de certa forma não deixa de ser uma "ilusão", (já que o futuro só é palpável ao se transformar em presente), deixa uma dorzinha gostosa de espera e é mais bonita nos românticos…Gosto muito da Marina, já Valentina me intriga, mas ambas tomaram meu tempo por igual intensidade em cada momento da leitura.Acho que o amor que a uns aprisiona e a outros liberta é um desafio para ambas. Porque lidar com ele é fazer escolhas no escuro, e cada escolha feita anula uma opção. Enfim, muitas perguntas… e a cada hora mais tantas… E mais descobertas. E mais provocação. O que de cada uma delas a gente tem dentro? E o que elas nos tiram dentre as coisas que queremos naquele baú mais fundo que temos?

    17/08/2010 às 22:26

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s